Veja nossoBlog Laboratório
Humberto Abrão

Farmacogenética – FG

Os transtornos neuropsiquiátricos representam um dos principais problemas de saúde, constituindo 40% das enfermidades crônicas.

Dentro destes tipos de transtornos, destacam-se 4 de elevada incidência na população e que possuem um grande impacto na qualidade de vida das pessoas que os possuem: ansiedade, depressão, psicose e epilepsia. Estes transtornos tem diferentes sintomatologias e origem etiopatogênica, mas todos eles podem ser tratados por meio da terapia farmacológica.

No tratamento dos transtornos neuropsiquiátricos é utilizada uma grande variedade de medicamentos. Mas, apesar dos avanços no tratamento farmacológico destes transtornos, muitos pacientes tem pobres resultados devido a uma resposta inadequada (falta de efetividade) ou a presença de efeitos adversos.

Esta resposta inadequada pode ser devida em grande parte a causas genéticas, pois a variação no genoma humano é um dos fatores mais importantes, responsável por modular a resposta individual aos medicamentos. Desta forma, a Farmacogenética estuda como as diferenças genética entre os indivíduos influenciam nas distintas resposta aos fármacos.

A farmacogenética, através da análise de DNA, revolucionou a escolha das medicações mais adequadas em neurologia e psiquiatria, permitindo alcançar tratamentos eficazes mais rapidamente e em consequência, a estabilização do paciente.

Estas novas informações permitem ao médico: a) avaliar a resposta aos fármacos (resposta positiva ou negativa) para escolher os medicamentos mais adequados, b) avaliar o risco de reações secundárias,  c) ajuste mais preciso da dose (avaliando os fatores genéticos que controlam a ativação, degradação e distribuição de alguns medicamentos).

Os principais perfis  de FG – Neuro são:

FG – Neuro Ansiedade

Farmacogenética dos transtornos da ansiedade e do sono:

Avalia as principais enzimas metabolizadoras, transportadoras e alvos envolvidos no metabolismo dos fármacos ansiolíticos e hipnóticos. A análise proporciona informação relevante sobre os 13 fármacos mais utilizados, a partir do estudo de 22 polimorfismos genéticos, descritos na bibliografia científica, presentes nas seis enzimas principais do sistema citocromo P450: CYP2D6, CYP2C9, CYP2C19, CYP3A4, CYP3A5 e CYP1A2.

Moléculas estudadas

Alprazolam            Diazepam           Triazolam

Bromazepam         Doxepina             Zolpidem

Clobazam              Flunitrazepam     Zopiclona

Clorazepato           Ketazolam

Clorodiazepóxido   Lormetazepam

FG – Neuro Depressão

Farmacogenética dos transtornos depressivos

Avalia as principais enzimas metabolizadoras, transportadoras e alvos implicados na atividade dos fármacos antidepressivos.

A análise proporciona informação relevante acerca dos 15 fármacos mais utilizados, a partir do estudo de 20 polimorfismos genéticos descritos na bibliografia científica, presentes nas enzimas do sistema citocromo P450: CYP2D6 e CYP2C19.

Moléculas estudadas

Amitriptilina        Citalopram         Clomipramina

Escitalopram        Fluoxetina          Fluvoxamina

Mirtazapina          Nortriptilina       Paroxetina

Desipramina         Sertralina           Venlafaxina

Duloxetina           Imipramina         Reboxetina

FG – Neuro Psicose

Farmacogenética dos transtornos psicóticos

Avalia as principais enzimas metabolizadoras implicadas no metabolismo dos fármacos antipsicóticos, assim como as proteínas transportadoras e alvos terapêuticos.

A análise proporciona informação relevante sobre os 14 fármacos mais utilizados em medicina, a partir do estudo de 17 polimorfismos genéticos, descritos na bibliografia científica, presentes nas enzimas do sistema citocromo P450 (CYP2D6, CYP3A4 e CYP1A2) e no gene CACNG2.

Moléculas estudadas

Aripiprazol           Haloperidol              Pimozida

Clorpromazina     Levomepromazina    Quetiapina

Clozapina             Lítio                         Risperidona

Flufenacina          Olanzapina                Zuclopentixol

Flupentixol           Perfenazina

FG – Neuro Epilepsia

Farmacogenética das epilepsias

Avalia as principais enzimas metabolizadoras, transportadoras e alvos implicados na atividade dos fármacos antiepilépticos.

A análise proporciona informação relevante sobre os 11 fármacos mais utilizados, a partir do estudo de 16 polimorfismos genéticos, descritos na bibliografia científica, presentes nas enzimas do sistema citocromo P450: CYP2C9, CYP2C19, CYP3A4; nos complexos HLA-A e HLA-B; e nos genes: POLG, CPS1, OTC, DRD2/ANKK1 e UGT2B15.

Moléculas estudas

Ac. Valpróico          Fenitoina            Oxcarbazepina

Carbamazepina       Fenobarbital       Primidona

Clobazam               Lamotrigina         Zonisamida

Diazepam               Levetiracetam

Importante

A informação aportada pelas análises permite selecionar o fármaco mais adequado e orientar de forma individualizada a dose mais ajustada para cada paciente. O laudo também documenta o estado dos transportadores e alvos necessários para garantir a ação terapêutica. Isso resultará em uma maior eficácia do tratamento e uma redução significativa das reações adversas.

Os painéis FG – Neuro já estão disponíveis em nossa rotina podendo ser realizados em amostras de sangue ou saliva.

Para mais informações sobre estes exames, favor contatar-nos.

*Este material tem caráter meramente informativo. Não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico ou automedicação. Em caso de dúvidas, consulte seu médico. 

20 de outubro de 2017 Post direita , , , , , , ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *