Veja nossoBlog Laboratório
Humberto Abrão

Teste PI – Avaliação da permeabilidade intestinal

O epitélio do intestino delgado tem uma dupla função: por um lado, a digestão e absorção de nutrientes; por outro, atuar como barreira mucosa seletiva frente a microorganismos e macromoléculas.

A permeabilidade intestinal se refere à propriedade das membranas do trato intestinal de permitir o tráfego de diferentes macromoléculas. A permeabilidade intestinal pode alterar-se tanto por excesso, como por defeito e sua análise tem implicações importantes na etiologia e patogenia de numerosas enfermidades intestinais e sistêmicas.

Alterações da permeabilidade intestinal

A função de barreira da mucosa intestinal pode ser alterada por diversos mecanismos, como por exemplo, infecções intestinais, alterações da flora intestinal normal (disbiose), deficiência de IgA secretora, consumo de alimentos alergênicos ou de compostos tóxicos, álcool, medicamentos (principalmente, anti-inflamatórios não esteroidais-AINES e antibióticos), quimioterapia e radioterapia, entre outros.

O aumento da permeabilidade intestinal ocasiona uma elevação no tráfego de substâncias não desejadas para a corrente sanguínea, podendo originar alterações inflamatórias e imunológicas crônicas, tanto em nível local como sistêmico. Esta alteração é conhecida como “síndrome do intestino perfurado” e costuma ser consequência, principalmente, de alterações das uniões estreitas e da absorção paracelular.

Uma permeabilidade intestinal aumentada está presente em numerosas enfermidades intestinais (por exemplo, a doença de Crohn e doença celíaca), como também sistêmicas (como por exemplo, artrite reumatoide, espondilite anquilosante, diabetes tipo 1, nefropatia IgA, esclerose múltipla, patologias dermatológicas crônicas, asma e diversos tipos de cânceres). Uma permeabilidade alta também pode ser o reflexo de infecções intestinais crônicas por bactérias, fungos ou parasitas.

A diminuição da permeabilidade intestinal pode ser causa de má absorção e originar desnutrição, mesmo na presença de ingestão alimentar normal (com respeito a qualidade ou quantidade). Isto costuma ser consequência de lesões do epitélio intestinal que afeta a absorção transcelular de nutrientes.

A identificação de uma alteração da permeabilidade intestinal (seja em excesso ou seu defeito), possibilita a atuação terapêutica de forma específica, com consequente melhoria dos sintomas em uma porcentagem elevada de pacientes.

O teste PI é um método não invasivo de avaliação da integridade e funcionalidade da mucosa intestinal, que possibilita o diagnóstico das causas de uma grande variedade de sintomas intestinais, como também sistêmicos, além de fornecer informação sobre a resposta terapêutica e seguimento clínico (marcador de atividade e prognóstico).

 O teste PI

A análise consiste na administração de substâncias não metabolizáveis de diferentes pesos moleculares, como a lactulose e o manitol, mediante sobrecarga oral. A quantificação através da cromatografia gasosa da percentagem de eliminação de ambas as substâncias na urina, informa a sua porcentagem de absorção.

O manitol é um monossacarídeo que em situações normais é absorvido entre 5 e 30%. Sua análise informa o grau de absorção de pequenas moléculas (<0,4 nm) por via transcelular.

A lactulose é um dissacarídeo que deve ser absorvido em níveis inferiores a 0,5%. Sua análise informa o grau de absorção de grandes moléculas (>0,5-0,6 nm) por via paracelular através das uniões estreitas.

Além disto, a determinação do quociente lactulose/manitol permite minimizar as diferenças intra individuais originadas por outros fatores como, o esvaziamento gástrico, o trânsito intestinal, a excreção urinária e a dificuldade na recoleta da urina.

Indicações

  • Pessoas que desejem gerir proativamente sua saúde.
  • Pacientes com doenças ou sintomatologia intestinal de tipo crônico.
  • Pacientes com doenças sistêmicas inflamatórias ou imunológicas crônicas.

Informações gerais sobre o exame

Em condições normais, os valores de recuperação devem ser inferiores a 0,5% para a lactulose e entre 5 a 30% para o manitol.

Um aumento da recuperação de lactulose reflete um aumento da permeabilidade paracelular (entre as células), o que pode fazer com que toxinas, antígenos, peptídeos ou ainda que macromoléculas atravessem a barreira intestinal e se incorporem à circulação linfática e sanguínea. Estas partículas aumentam a sobrecarga dos mecanismos de desintoxicação hepática e estimulam o sistema imune, o que pode ocasionar intolerância ou alergias alimentares, síndrome do intestino inflamado, artrite, eczema e outros processos inflamatórios.

Um aumento da recuperação do manitol reflete um aumento da permeabilidade transcelular (através das células) a qual pode originar a passagem de pequenos antígenos através da mucosa intestinal, podendo desencadear respostas imunológicas.

O Laboratório Humberto Abrão já disponibiliza este novo exame, e para mais informações favor contatar-nos.

*Este material tem caráter meramente informativo. Não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico ou automedicação. Em caso de dúvidas, consulte seu médico.

 

14 de novembro de 2017 Post Esquerda , , , , , , , ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *